Gravando Bandas Tour 2018

Ego Kill Talent

EGO KILL TALENT é:

Jean Dolabella – Bateria/Guitarra/Baixo
Raphael Miranda – Bateria/Baixo/Guitarra
Estevam Romera – Guitarra/Baixo
Theo van der Loo – Guitarra/Baixo
Jonathan Correa – Vocal

Foi no ano de 2003, nos corredores do Estúdio AR, no Rio de Janeiro, que os caminhos dessa galera começaram a se cruzar. Enquanto os cariocas Theo van der Loo e Raphael Miranda gravavam o primeiro disco de sua recém-fundada banda Sayowa, o gaúcho Jonathan Correa soltava a voz nas faixas do segundo álbum do fenômeno Reação em Cadeia – banda que ele fundou em 2000 com sucesso estrondoso já no primeiro single. Em comum as duas bandas tinham a admiração pelo consagrado Sepultura, que gravava no mesmo estúdio o disco Roorback e registrava tudo pelas lentes do fotógrafo e diretor de arte da banda na época, o paulistano Estevam Romera. A aproximação nos estúdios rendeu ao Sayowa o convite para abrir o show do Sepultura no Canecão naquele ano. Enquanto isso, em Los Angeles (EUA), o mineiro Jean Dolabella se formava em música no L.A. College of Music e sua banda, Udora (ex-Diesel), assinava contrato com o lendário Clive Davis (Presidente/CEO da J RecordsRCA). Jean trocara Belo Horizonte por Los Angeles em 2001, depois de tocar com o Diesel no palco Mundo do Rock in Rio.

Em 2004 e 2005, o Sayowa excursionou pela Europa, dividindo palcos com bandas como Megadeth e Fear Factory, além de abrir vários shows do Sepultura. Já em 2006, Jean troca a banda Udora pelo Sepultura – e passa a trabalhar com Estevam e dividir a estrada com os cariocas do Sayowa em alguns festivais mundo afora. Enquanto o Sayowa desbravava o velho mundo, o Reação em Cadeia estourava singles em série nas rádios gaúchas e, mesmo a distância, Theo e Jonathan jamais deixaram de se falar. A amizade se fortalecia a cada encontro de bastidores de shows e festivais. Em 2004 o Reação e o Sepultura inclusive tocaram no mesmo dia do festival Planeta Atlântida e lá estavam Jonathan, Theo, Raphael e Estevam juntos.

Em 2009, depois de mais uma excursão européia com o Sayowa, Theo e Raphael decidem montar uma produtora de eventos. Daí surgiram os festivais Maquinaria e SWU – ambos com duas edições realizadas. Os três anos seguintes consolidaram a dupla como empresários do show business, levando-os a trocar os palcos pelo backstage. Nos festivais que produzia com sua empresa, Theo atuava na contratação artística, o que o aproximou de muitos empresários, agentes e artistas internacionais. Entre eles, Rage Against the Machine, Dave Matthews Band, Queens of the Stone Age, Linkin’ Park, Faith no More, Stone Temple Pilots, Alice in Chains, Peter Gabriel, entre muitos outros. A partir de 2012 Raphael voltou a dedicar-se à música. Estudou bateria no Musician's Institute em Los Angeles (EUA), acumulou no currículo a gravação de centenas de discos e ultimamente tem gravado diversas trilhas para cinema e TV. Depois de seis anos com a banda, Jean decide deixar o Sepultura – encerrou seu ciclo com a banda no Rock in Rio 2011. Hoje, além de músico, é produtor musical e já gravou trilhas sonoras para filmes hollywoodianos como George of the Jungle e Scooby Doo, e, Junto a Estevam Romera fundou o Family Mob Studios em São Paulo. 

Após a saída do Sepultura, Jean convidou o Theo para fazerem jam sessions e logo foram acompanhados por Estevam – que toca também na banda de grindcore Desalmado, com doze anos de estrada e algumas turnês na Europa. Poucos meses e algumas músicas depois, Raphael se juntou ao trio. Em busca de um vocalista, Theo convidou o amigo de longa data Jonathan, o veterano do rock gaúcho que, com 15 anos de carreira e uma legião fiel de fãs, acumula cinco álbuns, mais de 30 singles de sucesso e mais de 30 milhões de visualizações no YouTube. Assim consolidou-se a formação do EGO KILL TALENT. Em 2015 o EKT lançou seu primeiro clipe, intitulado "Sublimated", gravado no treinamento da "GRAVANDO BANDAS". 

Link:

http://www.egokilltalent.com/

Seja o primeiro a saber